O Grupo de Trabalho para a Criação do Centro Interpretativo do Mosteiro de Odivelas (CIMO) tem como objetivo principal a criação de um futuro espaço museológico no Mosteiro de Odivelas, que reflita a fundação e o crescimento do Centro Histórico de Odivelas, bem como a história e a vida quotidiana das instituições ali alojadas durante mais de sete séculos. Assim, encontra-se a ser produzida informação de índole diversa e para a implementação do CIMO, nas várias áreas de estudo abrangidas, nomeadamente História, História de Arte, Arquitetura, Informática, Museologia, Antropologia e Arqueologia.

NOTÍCIAS

Claustros do Mosteiro de Odivelas alvo de reabilitação

Claustros do Capítulo e da Moura estão numa área com potencial arqueológico e vão ser reabilitados para permitir a abertura ao público.

O Claustro do Capítulo e o Claustro da Moura do Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, em Odivelas, vão ser alvo de uma empreitada de reabilitação que permitirá tornar estes espaços visitáveis pelo público.
A intervenção inclui a reabilitação de terraços, coberturas, caixilharias e revestimento de tetos e paredes, com especial atenção para a conservação e restauro do património integrado pétreo e azulejar.
Uma vez que estes claustros se encontram numa área com potencial arqueológico, todo o trabalho será acompanhado pelos arqueólogos do Grupo de Trabalho para a Criação do Centro Interpretativo do Mosteiro de Odivelas, em consonância com as diretrizes da entidade tutelar, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). O objetivo é a salvaguarda de eventuais descobertas arqueológicas, bem como potenciar a divulgação dos trabalhos a desenvolver neste Monumento Nacional.
Esta empreitada de reabilitação está integrada na reprogramação da candidatura Lisboa 2020, aprovada e da responsabilidade da Câmara Municipal de Odivelas, na sequência do protocolo estabelecido entre a Autarquia e a DGPC para a execução da candidatura.

08 fevereiro 2021

Estudo de lápides sepulcrais do Mosteiro

Destaca a mais antiga lápide do Mosteiro de Odivelas, a de D. Urraca Pais, abadessa que desempenhou um papel relevante no Reinado de D. Dinis.

A Câmara Municipal de Odivelas está a realizar um estudo, no âmbito da criação do Centro Interpretativo do Mosteiro de Odivelas, sobre as lápides sepulcrais deste monumento, que se encontram distribuídas por diferentes espaços e que guardam em si memórias de monjas e de outros ocupantes.
Das lápides do Mosteiro, destaca-se a de D. Urraca Pais, a mais antiga e que se encontra na Casa do Capítulo. D. Urraca, abadessa de 1316 a 1340, desempenhou um papel relevante na fase inicial do Mosteiro, nomeadamente no reinado de D. Dinis.
A tampa apresenta o retrato a corpo inteiro, com as vestes prelatícias, segurando o báculo abacial na mão direita e na esquerda livro com fechos. Nesta sepultura foram ainda inumadas mais 3 abadessas, D. Teresa de Macedo (1760), D. Luísa Antónia de Sousa (1778) e D. Luísa da Conceição (1789), e ainda Madre Paula (1768), a conhecida amante de D. João V.
O registo fotográfico que está a ser realizado e a definição de diferentes percursos pedonais que se desejam implementar, permitirão preservar para memória futura as lápides e a sua epigrafia. De notar que, ao longo dos vários séculos, as lápides sofreram um natural desgaste com os passos da comunidade conventual e, mais tarde, de quem frequentava o Instituto de Odivelas.

29 janeiro 2021

Odivelas integra Projeto “Lisboa Romana"

Projeto tem como principal objetivo dar a conhecer a história da ocupação romana no Concelho.

A Câmara Municipal de Odivelas integrou recentemente o projeto «Lisboa Romana | Felicitas Iulia Olisipo», um projeto multidisciplinar sobre a época romana que envolve uma rede metropolitana de 20 municípios e outras entidades públicas e privadas, contando com o trabalho de 96 investigadores de cinco universidades. O objetivo é agregar e divulgar o conhecimento científico resultante de múltiplas escavações arqueológicas e investigações na região da Área Metropolitana de Lisboa.
A Autarquia encontra-se numa fase embrionária de estudo e recolha de informação arqueológica sobre a ocupação romana no seu território, com o propósito de contribuir de forma ativa para um maior conhecimento daquele período histórico.
Este projeto oferece-nos uma viagem no tempo que nos faz recuar cerca de dois mil anos, até à época da chegada do Exército Romano ao nosso território.
Saiba mais em www.lisboaromana.pt ou visite a página de facebook @lisboaromana

14 janeiro 2021

Aniversário da morte de D. Dinis

Passam 696 anos sobre a morte do Rei que escolheu Odivelas para seu repouso eterno.

A 7 de janeiro de 2021, cumprem-se 696 anos do falecimento de D. Dinis, o Rei que escolheu o Mosteiro de Odivelas como sua última morada.
Com um reinado de quase 46 anos, faleceu aos 63 anos, tendo ao seu lado a Rainha D. Isabel, o Infante D. Afonso e os filhos bastardos D. Pedro Afonso e D. João Afonso.
O cortejo fúnebre seguiu até Odivelas, onde viria a ser sepultado, conforme sua vontade, expressa em testamento.

07 janeiro 2021